[Sentires] Agonia


“Uma palavra, ou um simples sentir. Por vezes somos bem mais do que simples números ou letras disfarçados por este nosso mundo. E se meu sentir fosse alguém, quem seria?”
Estremece, deixa-te sentir…



Sou uma espada de dois gumes, que se atravessa pela alma e mirra o peito de quem ousa deitar-se sobre mim. Há quem prefira sentir-me sobre os seus ossos, despedaçar-te inteiro, do que ver-me atravessar a sua frágil alma - amordaçando-a dentre os quatro ventos que o mundo proclama vencer.
Sou como o sangue que fluí dos corpos, atravesso-me a cada célula e faço-me crescer… Sou cada vez mais, cada vez maior e torno-me a única companhia para a tua atormentada alma. Pudesse eu falar-te quantas vezes tu me abraçaste, mesmo que eu jamais te pedisse… Que ousaste esconder-te de ti mesmo, encontrando-me algures onde jamais pensaste ir.
Olhaste em volta, nada encontraste além de mim. O meu sorriso, aquele que tantas vezes provoca gemidos da tua garganta - tão sonoros! Tão abafados! Esse, atinge-te onde nada mais te deixa cair… Eu sou o fundo do poço, de onde sairás para uma nova queda. Cairás, cairás… Deixarás que tudo em ti se vá, apenas uma sombra de ti permanece sobre aquele olhar que te observa ao espelho. Viste aquela lágrima? Que passou incompleta sobre a tua pele? São pequenas gotas de chuva que tua alma traz… Elas se fazem essências, pequenas tempestades.

Elas serão bálsamo das tuas dores, ou breves pisadas sobre o quinto dos infernos?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

[BC LITERÁRIA] Paixão pela leitura