[Blogagem Colectiva] Um conto de Amor e Revolução

abril 13, 2016

A cada mês são-nos propostos temas para realizar a Blogagem Colectiva, que tem sempre temas tão originais! Querem participar? Cliquem 'aqui' e façam parte do grupo!

Esta parece mas não é uma história de amor vulgar. Vai parecer um tanto estranho, pensar que um conto de amor pode ser apenas de uma pessoa - mas é essa a narrativa que hoje parece existir. Um ser que vive o amor e parece revolucionar-se a cada novo dia.
O nome desta mulher ainda é incógnito, talvez nem ela realmente o soubesse no começo da sua longa caminhada por este dedilhar de palavras. Porém, este conto é dela para ela e ninguém precisa de fazer parte. Bem, a não ser uma lata de coca-cola. Foi com ela que tudo começou...

Era um dia chuvoso, o vento parecia atormentar o seu rosto cabisbaixo enquanto essa menina moça seguia rumo a uma loja para comprar um lanche. Seu estômago parecia querer esmagá-la da quantidade de horas que ela ainda não tinha digerido nada. Pé ante pé, seus passos pareciam levar-lhe a um destino incerto. Qual a certeza deste mundo, não acham? Seus saltos altos ecoavam no meio de todo o som que batia brevemente sobre o seu guarda-chuva. Fechou-o, entrou na loja e seguiu para a área das bebidas com gás. Sua cabeça baixa não via nem observava nada além do seu objectivo: comprar alguma comida para calar o bicho.
Pegou numa coca-cola e seguiu rumo à caixa de barras integrais. Pagou, saiu para a chuva e abriu o seu amigo - já que o guarda-chuva lhe impedia de ficar totalmente ensopada (ou quase).
Com um grito de alerta, um ciclista quase atravessou o seu corpo, deixando-a pelo chão. O guarda-chuva voara para a estrada, um carro o atropelara e a mulher parecia parte da chuva. A sua saca com a comida caíra no chão, a lata de coca-cola rebolara para o seu pé. Mas não a preocupava qualquer um destes acontecimentos. O seu olhar encontrava-se preso à mensagem que se encontrava sobre a garrafa - parcialmente lavado pela chuva.
"Ama-te" Era a única coisa que o post-it dizia. Ela correu de volta para a loja, voltou à zona de bebidas e encontrou toda uma colectânea de mensagens coladas às latas de bebida. "Sorri", "Já te abraçaste hoje?", "Sabes como a beleza parece maior quando sorris?", "Deixa-te perder na missão de encontrar-te"... E as mensagens de encorajamento continuavam.
Cada uma das palavras que parecia ler a faziam sentir-se bem o suficiente para gargalhar pela chuva que agora entranhava na sua pele.
- Encontra-se bem? - Perguntou o lojista.
- Sabe quem deixou estas mensagens pelas latas? - Perguntou ela com curiosidade.
- Houve uma época que nos importou saber. Esperamos para encontrar a pessoa. - Fez uma pausa, sorrindo. - Mas essa pessoa não quer ser conhecida, e explicou-nos que o objectivo é fazer com que novos sorrisos se formem a cada novo dia, enquanto essa pessoa continua viva.
- Por isso a deixam colocar mensagens em latas novas?
- Exacto. - Sorriu. - Mas nem todas as pessoas têm o tempo suficiente para olharem para a lata. A maioria nem as vê. Apenas bebe.
A mulher seguiu para casa, pensativa. Mal chegou a casa, aproximou-se de um espelho e indagou: Eu também sou uma dessas pessoas. Apenas bebo, apenas como, apenas existo. Abriu a mão, para ver o post-it esborratado e molhado. Sorriu, observando o seu rosto tão molhado e esborratado quanto aquele pedaço de papel.
Removeu as suas roupas molhadas, limpou a sua pele com carinho e decidiu aproveitar o tempo - em vez de esperar que ele passe. Seus dedos pareciam dançar sobre uma nova pista, o seu olhar atento tomava nota de cada pensamento - de cada objecto que observasse. Como ela nunca reparara que o mundo à sua volta é bem mais dela do que fosse alguma vez possível?
Abraçou-se, sorriu, gargalhou e rebolou sobre a cama. Observou o tecto branco, tão branco como o passado que vivera... Como nunca parara um segundo para se amar? Vivera toda a sua vida consigo e jamais pensara em si como alguém. Apenas pensava no que era suposto pensar - metas para seguir rumo a algum lado. Mas quem era ela? O que eram seus sonhos para ela? Quais os traços de si mesma que amava e faziam sorrir a cada dia?

Levantou-se num salto da cama, vestiu-se e ficou junto à varanda a ver a chuva a cair incessantemente. O que outrora parecia um suplício para a vida, parecia agora algo divertido de ver, sentir, ouvir, tocar. Como e quando uma gota de chuva na janela parecia mais belo do que aquele chão que ela sempre observara por quase toda a sua vida?
Um novo universo se abrira hoje, para ela. Tal como a chuva que caía sem parar, a sua mente continuava a experimentar novas sensações - tão fortes e intensas... Como não amar o tique-taque do relógio quando todo uma utopia parece tornar-se vida sobre os nossos corações.

Esta mulher, chamada Eva, começou a amar-se. Começou a procurar encontrar-se. Uma nova caminhada que durará até que sua mente deixe de existir.
Cliquem na imagem abaixo para verificarem outros posts desta blogagem!

You Might Also Like

0 comentários

Deixa aqui o teu pedaço!

Não te esqueças de deixar o link do teu blogue, caso tenhas, para te poder visitar!

E... Não te esqueças:
embarca pela minha loucura, sê-te tempestade de emoções!

Corações

Google+ Followers

Popular Posts