.Poesia

[Os Dias] Dia Quinze

julho 28, 2015

E o nevoeiro se abate sobre a terra
Molhada de noites terminadas, melancólicas
Melodias que não se ouvem.
Fossem melodias eternas, sentidas
Daqueles sons que não se escutam,
Não vendo a hora que nasçam,
Querendo fluir por toda a vida.

Como se nada fosse germinar
Na Natureza que somos, rebeldes
Horas de tormentos constantes
Cujo nome não dito, perfeitos
Todos aqueles sentimentos
Que não saem da alma,
Que nunca se sentem...

Surgindo pequenas horas
Afligidas pelas vidas, fracas
Todas aquelas que não choram
E sua alma chora a toda a hora, triste
Fim que a humanidade chega,
Perdendo-se do que é,
Abandonando tudo o que é puro.

.frases

[Quote] #Frases 66

julho 27, 2015

Encontrar-me sobre os teus lábios, preencher-me pelo silêncio dos nossos olhos.
Sejamos nós loucuras imensas... Sejamos oxigénio respirado de memórias obscuras.
Que sejas minha escuridão, minha luz.
Que eu seja teu dia e noite.
Que sejamos mais do que nós... Sendo infinito!

Porque amar-se é uma reticência medonha para além da morte. Para além da vida.

.Poesia

[Os Dias] Dia Catorze

julho 21, 2015

E a música vai cantarolando,
Deixando que as letras vivam, indefesas
Todas as palavras que esvoaçam
Desgovernadas de minha mão, atenciosas
As horas em que as vidas saem,
Desaguando em pequenas linhas
Que se escrevem pelos momentos.

Momentos sem nova hora,
Perdidos por algures, momentos
Gravados em corações
Que se enfeitam, criando
Todas as palavras não ditas,
Sem razão, sem vida,
Sem sentimento.

Lágrimas que não se vê,
Sorrisos que não se observavam, perfeitas
Palavras marcantes de momentos
Algures pelas horas, escrevendo
Tudo aquilo que não se diz,
Tudo o que não se vive,
Todas as horas perdidas no nada.

.frases

[Quote] #Frases 65

julho 20, 2015

Encontrar-te...
Oh, esse doce sabor do sorriso crescer por dentro do peito e brilhar sobre os meus olhos.
Breves pensamentos de ti propagam-se pelos poros que minha pele sua ao longo da caminhada da vida.

Só tenho uma pergunta... Por onde andamos nós perdidos?

.Prosa

A História De Uma Pessoa Um Tanto Criminosa Nas Emoções…

julho 16, 2015


Ela parecia sorrir a toda a hora, gargalhar a cada esquina mas a realidade é que isso já fazia parte de qualquer uma das suas células que viviam dentre seus suspiros pelos sonhos despedaçados da sua vida. Ela não escrevia, jamais daria letras para aqueles que nunca as iriam sentir - nem ela mesma as sentiria.
É uma história de alguém que se matou vivendo cada emoção que emanava das suas pálpebras entreabertas aquando a luz do sol a acordava pelo raiar do dia. E havia, mais uma vez entre tantas outras, a vontade de se sentir viva… Ela não se cortava, não bebia nem fumava para esquecer algo que já estava tão enraizado que seria um valente nada sem isso. Ela viveu e matou-se nestas pequenas letras que escrevinho numa pequena história que mais parece uma porta ilusória da minha mente. Mas ela, essa menininha grande, fica contente por eu contar tudo o que ela me cantar baixinho ao ouvido.
Ela me diz, me canta com tanta emoção que me seduz a cada entoação que dá pelas notas que proclama. É uma lágrima de emoção que cai de meu rosto, é a loucura consumada em luta que parece latente a cada pausar da sua voz imaginária. Como seria meu amigo imaginário, caso o tivesse?
Gritou-me, afastando-se e continuou a gritaria…
Me disse que caía,
E eu tentei agarrá-la, nesta encruzilhada que minha mente se fez.
Perdeu-se… Perdia. E quem sabe, um dia, eu me perca também.
Afinal quem sente, tanto se mente, que se perde a cada despertar.

.BlogsUp

#Blogagem Colectiva: Sonhos

julho 15, 2015

A cada mês são-nos propostos temas para realizar a blogagem coletiva, que tem sempre temas tão originais! Querem participar? Cliquem aqui e façam parte do grupo!
E o porquê deste tema ter-me despertado o interesse?
Eu já tive sonhos absolutamente fantásticos, daqueles que acordo com um sorriso na cara - após uma imensidão de terror, suspense e romance encadeados por esta mente louca.
Uma dessas histórias é Salvatore e Emma, que começou com um sonho - o primeiro capítulo foi escrito segundo o que dormitei em 2009 de olhos fechados. Espero que gostem!
Por isso vou partilhar aqui um sonho que tive, daqueles que mais gostei, e que faz parte de um ebook que vou lançar por aqui no próximo mês como parte da missão que vem por aí - vamos ter festa no primeiro aniversário do blogue!

Salvatore e Emma - Livro I, Pedaços

Pequena Introdução

Olhos que se fecham, ouvindo os sons que ecoam dentro de nós. Não são eles que nos devolvem a paixão de momentos passados e momentos criados? Melodias que vão acalentando cá dentro, como se dissessem que cuidam de nós, que nunca permitirão que nós deixemos de sentir esta grande paixão pelo que fazemos, pelo dom que temos. Paixões essas que nos dão sentido à vida, que nos fazem sermos realmente quem somos. Todos somos um pouco de todas as melodias da vida… Amores, desamores, mágoas… São tantas as coisas que nos fazem gritar cá dentro, que nos faz sangrar até ao mais íntimo. Por vezes conseguem até matar, de tanto que fervem cá dentro. Mas são tantas as coisas que sentimos, tantas as coisas que fazemos, tantas as coisas que amamos e que temos paixão que muitas vezes apenas pensamos no que queríamos ter, não olhando à nossa volta, não vendo que o que mais queremos está muitas vezes tão perto.
Tantos altos e baixos, tantas sensações… Um turbilhão de emoções…

Capítulo I

O Início

Numa noite como tantas outras, em que uma simples saída não se tornaria tão normal assim.
Salvatore não fazia a mínima ideia do que estava por vir – ele era um simples mortal que vivia o mundo apenas quando se sentia em casa – o que não era um habitual lar, onde tudo nos pertence e faz-nos sentir donos da nossa própria vida, mas num lugar que nunca o deixava voltar a ter vontade de jamais esperar.
Não seria de esperar – nem de alguém pensar em tal lugar – para se sentir realmente verdadeiro, ficar preenchido por dentro e voltar à mundana vida que esta humanidade nos dá. Era um local de esperanças e desesperos de quem nunca voltará a deixar de sentir a perda.
Mas ele perdia-se por dentro, divagava pelos vários momentos da sua vida e de todas as vidas que continuavam a esperar chegarem ao final, ou seria o início?

Inconscientemente, na luz que lhe acalentava cada poro da sua humilde vida, nunca imaginaria que pudesse ver tal tormento. Chamas iluminando a noite, onde as estrelas da noite não vieram e as nuvens das tormentas teimavam a permanecer e a ceifar cada brotar de vida circundante, saíam do céu como se quisessem gritar ao mundo as verdades que preenchiam cada pecado praticado por todos.
Salvatore avistou essas chamas que começavam a varrer a cidade, matando cada pessoa em que caísse. As multidões corriam à procura de protecção, procuravam o lugar que Salvatore chamava paz, corriam rumo à vida, poupando a sua. Muitos eram atingidos, muitos não conseguiam, mas Salvatore tentava, tentava ajudar…
Os gemidos de dor e de mágoa iam aumentando, o medo das chamas atingirem-nos antes que estas cessassem, fazia-os gemer e pedir amparo, corriam e apenas pensavam na sua vida, ultrapassando muitos que já não conseguiam avançar mais, esmagando-os como se fossem pequenos ramos. Todos corriam, todos gritavam de medo e de dor, uns por avistarem as chamas a vir em sua direcção, outros ao ver o sofrimento que iriam acabar por ter…
Salvatore também temia pela sua vida porém, ao ver uma pequena menina, decidiu correr para a resgatar. A pequena tinha uma cara tão apavorada, cheia de medo, chorava num canto, tapando a cara, não conseguindo ver nada, desejando que seus pais estivessem bem… Como poderia ele salvá-la, se nem sabia se ele estaria a salvo?
Não pensou mais, ele pressentia que ela merecia ser salva, que ele poderia dar a sua vida pela dela…
Quando se aproximou e pegou-a ao colo, viu que ela trazia um coração, um pedaço de metal em forma de coração, um simples coraçãozinho que lhe punha a vida em risco.
Depressa tirou o colar de seu pescoço, mas o raio já corria em sua direcção, atingindo-o no braço.
A única coisa que ele pensava era em tirar aquela menina dali.
Tentou levá-la até à campa de sua mãe, onde se sentia sempre em paz, para que ela o ajudasse a voltar a ter forças e puder salvar a menina. Mas depressa tudo se apagou…

As chamas finalmente cessaram, no centro da cidade havia um mar de corpos queimados, vários eram aqueles que tinham expressões de terror. O cheiro era nauseabundo e alguns corpos tinham sido esmagados, deixando todo o interior dilacerado… Vários animais estavam do mesmo modo, queimados ou esmagados pela angústia anteriormente vivida e que apenas deixou um rasto de morte.


Continua...

Queres ler mais?
Brevemente será disponibilizado o ebook em Agosto!

.Poesia

[Os Dias] Dia Treze

julho 14, 2015

Conheço cada palavra tua,
Surpresas de cada traço
Que a tua doce mão não vai desenhando,
Brotando aquelas mesmas cores,
Os mesmos sabores,
Nascidos pequenos para nós,
Desaguados em nossos olhares.

Não consigo estar longe,
Sinto uma enorme vontade
De puder abraçar-te, defender-te...
Pudesse dar minha vida,
Ver-te feliz por todas as horas,
Sentir-te bem perto,
Descansar em teus braços
E, ao ver a vida, sorrir
Por todas aquelas horas em que aqui estás.

.frases

[Quote] #Frases 64

julho 13, 2015

Somos aqueles braços perdidos pelo meio da tempestade, sem saber por onde ficar.
Aqueles ventos soprados ao horizonte do fim, infinitamente o começo para tantos outros.
E tu... O que fazes para te seres hoje? Quem te sopra? Quem carrega parte de ti?
Quem te faz sorrir pela estupidez da vida?
Quem é mais preenchido do que tu, nesse teu mar divagante?

.Prosa

Será sempre loucura, essa coisa que chamam enamorar-se

julho 10, 2015


E hoje foste aquele silêncio propagado ao longo do meu sorriso. Como se tudo em mim desprendesse de ti, desses teus momentos - tão longos, tão nossos - que se acercaram por cada pedaço da minha pele. Talvez eu pudesse chamar-te, para que ouvisses a minha voz inaudível que as entrelinhas emanam. Consegues fechar o teu olhar e encontrar-me do outro lado? Seriam nossas lágrimas de cristal cercadas pelos nossos dedos?
Talvez eu nada fosse além da adorada noite - essa que chove sobre o teu rosto coberto.
Talvez eu nada fosse além de uma memória esquecida de ti, como se cada segundo se transformasse - nos transformasse - num outro mundo qualquer: esse tolo que nos alimenta sorrires a cada raiar do dia.
Hoje perguntei-te baixinho - quase que as entrelinhas estremeciam - por onde andaste tu? Por onde vieram essas tuas maldições - tão amaldiçoadas de nossos silêncios - que hoje atravessarão nossos sonhos?
Nos respiremos hoje, porque nossas células se deixam sentir pelo vento - aquelas que me trarão parte de ti. Talvez hoje não fosse a hora, pois chove, e o tempo não me é frio. O gelo do corpo enaltece qualquer sentir d'alma. Consegues sentir-me ao longo do teu peito? O teu nome solta-se pela minha língua, meu caro, e a minha voz parece inaudível sobre tantos sentires, esses nossos.
Enlouquecidos estaremos, por cada novo respirar. Enlouquecidos seremos.

.Prosa

Doces tormentas, essas da melancolia

julho 09, 2015


Que tuas lágrimas sejam sempre gotas de chuva e nunca caiam de teus olhos nem molhem a tua alma. Sente-te, preenche-te de ti e permanece sobre a tua respiração calma. Não apenas porque teu rosto molhado se faria mais salgado, ou porque cada pedaço de ti se entristece com tamanho dilúvio.
Pensa-te sobre o barco, algures latente, que navega pelo alto mar das tuas emoções. Pensa-te vivo, sempre presente em cada um dos teus sentires.
Agora sim, sê forte e chora. Deixa que essa chuva alimente as palavras que fluem da tua boca. Ontem, hoje e sempre… Até que a saudade finalmente te leve.

.BlogsUp

#Blogagem Coletiva: Conselhos

julho 08, 2015

A cada mês são-nos propostos temas para realizar a blogagem coletiva, que tem sempre temas tão originais! Querem participar? Cliquem aqui e façam parte do grupo!
E o porquê deste tema ter-me despertado o interesse?
A verdade é que toda a gente tenta dar, de alguma forma, querem ajudar ou até 'mandar' pelas nossas vidas. Mas qual é o impacto que nós temos naqueles que nos rodeiam com os nossos conselhos? Quem consegue ter sapiência suficiente para os dar? Vamos visitar os dois lados da moeda?
Aposto que todos nós já tivemos um momento desses...

Quem dá conselhos...

Existe toda uma gama de conselhos e comentários que pudemos dar para tentar ajudar (ou não) alguém. Por vezes estes são difíceis de calar, incríveis de dar e até mesmo uma missão impossível.
Como dar conselhos complexos quando nós mesmos não conseguimos seguir toda a lógica do que nós mais aconselhamos? Quanto mais opinamos sobre algum tema, quanto mais sugerimos...mais acabamos por dar um passo em falso e, por vezes, até seguir a direcção contrária pois foi o que nos deu para fazer no momento. E, ainda, sentimos as consequências que já calculá-mos quando nos pediram ajuda. Mas não, o ser humano é feito para bater com a cabeça.

Nossas mães - aquelas que se fazem parte da nossa alma com seu amor - tornam-se uma autêntica máquina de calcular as melhores rotas para os seus filhos. Umas pelo objectivo dos seus filhos terem uma vida melhor, outras porque simplesmente não conseguem mais deixar de se fazerem vida pela nossa pele.
Mas quando digo mães, quero referir também os pais. Quem nos dá a vida pelo amor sempre acaba por viver a nossa vida, como se fosse parte da deles - e o é, toda a parte que os fazem ser além deles mesmos. Uma transcendência que só se parece alcançar quando nos preenchemos com essa experiência (não precisa de nascer de nós, mas nascer para nós no amor que brota por eles).

Há toda uma gama de aconselhar, toda uma capacidade de raciocinar de cabeça fria, que nos torna seres aconselháveis para aconselhar.

Quem os recebe...

Por vezes surge uma necessidade tamanha de desabar, de deixar nossas vidas suspensas nos braços de alguém que nos ouça, compreenda e ajude... É aí que entram os conselhos. Sentir-nos embalados pelas nossas dúvidas de tempestade só suaviza com aqueles seres especiais que nos fazem ver aquele sol ali - tão lindo - escondido dentre os trovões. Por vezes trazem-nos leveza, outras vezes conseguem enviar-nos para o poço mais fundo de nós mesmos. Nem sempre é fácil fazer parte das nossas vidas, com todos estes sentimentos...

Mas nem tudo são rosas, existem também aqueles conselhos de tempestade, que ninguém quer ouvir ou sequer seguir. Os não pedidos, não desejados ou até impossíveis de seguir pelo que nós sentimos e vivemos de momento. Parecem quebra-cabeças que, algumas das vezes, tornam-se a nossa última solução. Como, por exemplo, arrumar o quarto ou acabar de escrever um livro.

Temos uma urgência de opinar, ser opinados e ouvir opiniões. Aliás, aposto que nós inventamos as letras, frases, mundos para isso mesmo!

E vocês, o que acham?
A vida não é feita de linhas rectas, como seguir então esses conselhos e sugestões tão lineares?

.Poesia

[Os Dias] Dia Doze

julho 07, 2015

E trevas ofuscam mentes
Perdidas no meio de nenhures, magoadas
Pela vida e pelas almas,
Aquelas perto dela, ofuscadas
Pelos momentos maus da vida,
Banhando totalmente a sua alma,
Inundando pelas questões da vida.

Lágrimas derramadas pela alma,
Queimando cá dentro, eternos
E derradeiros estes momentos,
Mascas duras, presente
E futuro desta vida minha.
Não fosse o amor puro,
Não fosse o meu coração bater.

Tempestuosos momentos
De sinfonias, imperdíveis
Todos aqueles sentimentos
Soltos de corações, impulsionastes
Por apenas alguns segundos.

.frases

[Quote] #Frases 63

julho 06, 2015

Ser-te ponto final pela vida, aquele pequeno. Aquele repentino, penetrante e constrangedor. Quero ser-te esse ponto junto de tantas reticências que ninguém vê - mas que estará lá pela tua eternidade.
Repete o meu nome pelo silêncio e o verás profundo no teu coração. Não aquele que bombeia sangue pelo corpo - esse aquece, bate demais. Quero aquele gelado, que te faz fresco pelas noites em que te sentes abandonado.

Quero-te só, quero-te entregue. Quero-te livre para seres tu mesmo.
Desejo-te inteiramente teu, inteiramente forte.
Conhecer-te é seres verdadeiramente forte. Cair sem ter medo do chão.

Quero-te pelas quedas do mundo,
Quero-te presente.
Quero-te humano!

.Prosa

E eu me perdi, ainda não me encontrei…

julho 03, 2015


Meu olhar se perde sobre os pensamentos que me torturam a mente… Eles se sentem perdidos, algures dentre todo aquele vazio que está cá dentro. Eu quero brotar tudo cá para fora, mas nada sai. As palavras parecem ofuscadas, desnaturadas… Nada delas conseguem fazer com que o meu sorriso volte. Ele ficou refém do meu coração amaldiçoado. E eu o amaldiçoei por isso.
Minhas lágrimas não saem mais… Minha pele parece seda ornamentada para um dia de chuva, em que ela cai e brilha por mim. A janela fica maravilhosa manchada de pequenas gotas, cativantes, penetrantes… É uma sensação forte que sinto em mim. Uma sensação completamente preenchida no vazio que se acumulou ao longo das semanas. Eu sou forte, sempre fui…
Mas isso não quer dizer que o meu olhar não se perca por todas aquelas horas em que o silêncio parece embalar-me para um outro mundo… Bem vazio, bem meu. E lá me sinto só. Bem ou mal, me sentirei sempre só lá. Por isso mesmo minhas pupilas se dilatam ao recordarem aquelas horas… Era uma dor imensa que se esfumou, deixando-me forte, mas perdida. Eu me perdi, e ainda não me encontrei…

.Prosa

Sabes o que é amor?

julho 02, 2015


Sabes o que é o amor? É sentir-te tão perto de mim, desejando-te a meu lado por cada segundo. Recordando-me de cada palavra dita por ti, de cada gesto que pensavas que eu nunca reparava mas sempre me surpreendia. A tua morte matou-me. Não que realmente estivesses morto, mas todas aquelas nossas ilusões caíram sobre mim como um abismo. Nem te despediste de mim, sequer um adeus dignaste-te a dar-me. Podias ter-me avisado que ias, mesmo que não o pudesses fazê-lo. Parte de mim morreu com isso, como posso agora ver-te de novo sem me recordar de todos aqueles momentos, destinados a um copo cheio de sangue vivo, perdido pela vontade de sequer o olhar? Sim, é o amor que continua firme, que dói a cada nova olhada que dou sobre o teu rosto. Não gosto de te ter perto de mim. Ainda me lembro da dor que foi te perder, das loucuras que fiz ao perder vontade sequer de me erguer da cama. Todas as noites, cada um dos meus dias, tudo se resumia a um enorme vazio sobre os lençóis de memórias que pareciam perdidas para sempre. Eu hoje sei o que aconteceu. Culpo-te por isso, claro! Afinal o meu coração tinha morrido contigo, agora mo trazes de volta e sorris a dizer que me amas. Perdi a vontade de acreditas nas tuas palavras, nem tuas cartas dão vontade de serem abertas - Mas eu as abro, inutilmente contrariada. - e fico pensando em tudo o que passou… O quanto eu sou agora. Não há sono que me pegue, nem emoção que queira sentir de novo. Só te peço, por favor, não abras a caixa de pandora que se tornou meu coração. É só isso que te peço.
Não te amo, nunca, nunca…
SN

.BlogsUp

#TOP 7 - 7 comidas que te fazem perder a dignidade

julho 01, 2015

A cada semana é escolhido um tema para desenvolver um top 7, que sempre é bastante original! Querem participar? Cliquem aqui e façam parte do grupo!

E o porquê deste tema ter-me despertado o interesse?
E a quem a comida não desperta interessse? Ainda por cima se for a vossa favorita?
Vamos lá falar de coisas doces, amargas e fantásticas para o meu palato!
E não, não vou falar das minhas comidas favoritas... Ou será que vou? O.o
Não costumo ter nenhuma delas aqui por casa, não vá aventurar-me e perder-me nelas. Quando as compro, infelizmente elas desaparecem - e eu nem sei porquê nem para onde vão... Não vos acontece disso?
Enfim, deixando-me de parvoíces, vamos à comida!
(Obviamente que não colocarei aqui imagens dela, que isso provavelmente me daria vontade de comer)

Camarões
Ah... A minha loucura de entradas e saídas, e comidas... Enfim, tudo é um pretexto para tentar comer um belo camarão. Qualquer espécie, de qualquer forma. Tão bom!

Salada (alface, cebola, tomate cherry e muito vinagre, só vinagre)
Para quê falar mais? Se for aqui a descrever dá-me fome. ahah

Assado Catrinense
Não que exista realmente este nome, pois é um assado da família (de um lado dos bisavós maternos) que faz-me crescer água na boca.
Nunca na vida comi um assado tão preenchido e cheio de maravilhosos sabores!

Gomas
Quase todos os feitios e sabores imaginários! Sim, eu sei... Só coisas Super saudáveis! ahah

Frutas da época
Qualquer fruto que seja da época dele me faz deliciar pelo seu aroma natural, saído da árvore (ou de outra espécie de planta) é o maior prazer que se pode ter pela boca!

Pistachos
Oh... Aquele sabor maravilhoso. Salgado, sem sal... Sabor de gelado. Não me canso de comer um pouco deste pequeno tesouro!

Chocolate Negro!
Ah, como eu adoro um bom chocolate amargo! Especialmente se vier acompanhado com menta, uma combinação tão boa! Até acho que é uma boa altura de acabar com esta postagem e ir procurar alguma coisinha.

E então, meus caros... Foi este o meu Top sete... Temos algumas destas delícias em comum? :3

Corações

Google+ Followers

Popular Posts